ENH Assina Memorando Para Monetização do Gás Extraído na Bacia do Rovuma

ENH Assina Memorando Para Monetização do Gás Extraído na Bacia do Rovuma

Já foi lido 199vezes!

A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) assinou, semana finda, em Maputo, um Memorando de Entendimento com a multinacional italiana SAIPEM para a monetização do gás doméstico extraído pelo projecto Mozambique LNG na bacia do Rovuma, província de Cabo Delgado.

O Memorando foi assinado pelo Presidente do Conselho de Administração da ENH, Estêvão Pale, e pelo representante da Saipem, acto testemunhado pelo Ministro moçambicano dos Recursos Minerais e Energia, Carlos Zacarias.

De acordo com o Memorando, a ENH e a SAIPEM, irão, numa primeira fase, realizar um estudo de viabilidade, com o objectivo de aferir a sustentabilidade financeira, económica e ambiental do projecto.

A ENH escreve em comunicado que os resultados do estudo deverão estar disponíveis até Novembro próximo, e depois submetidos ao Ministério de Recursos Minerais e Energia.

Falando durante o evento, Zacarias saudou a assinatura do memorando que, numa primeira fase, permitirá a realização de um estudo para adicionar valor ao gás natural no país, através da instalação de uma fábrica de metanol.

“Esperamos que o estudo traga resultados que respondam ao ensejo do Governo de ver o nosso gás a ser usado para o desenvolvimento da indústria nacional”, disse Zacarias, reiterando a abertura do Governo em apoiar no que for necessário para a materialização do objectivo preconizado.

Os outros impactos esperados para o país são a transferência de conhecimento; desenvolvimento do conteúdo local, por via de criação de empregos e oportunidades de negócios para fornecedores locais; apoio às autoridades governamentais na implementação de projectos de dimensão regional, e o crescimento da economia nacional.

Se o projecto for viável o mesmo será desenvolvido com base no gás a ser disponibilizado pelo empreendimento Mozambique LNG, da Área 1, da Bacia do Rovuma.

Ao todo, o Mozambique LNG vai disponibilizar 400 milhões de pés cúbicos padrão de gás natural por dia (mmscfd) para o desenvolvimento de projectos de industrialização do país.

Refira-se que as projecções do governo e da multinacional italiana Eni, operadora do projecto apontam para o segundo semestre o arranque da produção de LNG na bacia do Rovuma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *