SASOL Lança Fundo de Gás Natural Veicular

SASOL Lança Fundo de Gás Natural Veicular

Já foi lido 151vezes!

 A petroquímica sul-africana Sasol lançou hoje, na província meridional de Inhambane, um Fundo de cinco milhões de dólares norte-americanos para o Desenvolvimento e Expansão do uso Gás Natural Veicular (GNV) em Moçambique.

O Fundo resulta de um acordo com o Banco Nacional de Investimentos (BNI) e o Ministério dos Recursos Minerais e Energia, no âmbito do seu “contínuo compromisso estratégico de promover a monetização do gás no país”.

“O valor do Fundo de cinco milhões de dólares é disponibilizado pela Sasol e o BNI é a entidade responsável pela gestão desta linha de financiamento”, explica a companhia em comunicado de imprensa enviado hoje à AIM.

O projecto, segundo o documento, tem como objectivo fomentar e apoiar o desenvolvimento do sector de Gás Natural Veicular em Moçambique, através do financiamento de iniciativas, em todo o país.

“A Linha de Crédito de GNV oferece condições especiais para os interessados em efectuar a conversão das suas viaturas para Gás Natural, bem como os Postos de Abastecimento de Combustível que pretendam apetrechar os seus estabelecimentos”, garante.

No âmbito deste projecto, também, serão financiados projectos individuais e empresariais de Sistemas de Transporte de GNV, de infra-estruturas e de Componentes de Conversão para Gás Natural.

A Sasol esclarece que são elegíveis ao financiamento os agentes económicos (pessoas singulares, colectivas e PME), que operem infra-estruturas, estabelecimentos, veículos e acessórios ou componentes movidos a gás natural, bem como titulares de licenças de exploração e outros projectos relacionados com o desenvolvimento e expansão do GNV em Moçambique.

Falando durante o evento, o ministro dos Recursos Minerais e Energia, Carlos Zacarias, reafirmou a aposta do governo de Moçambique em apoiar esta iniciativa por contribuir para o aumento da monetização do gás no país e por confirmar o compromisso do país com a agenda de transição energética.

Por seu turno, o director-geral da Sasol Moçambique, Ovídio Rodolfo, disse que o Gás Natural é uma das riquezas dos moçambicanos e o seu uso e substituição gradual contribuirá para a redução dos custos de transporte, por ser um combustível mais barato e mais amigo do ambiente.

Aliás, disse Rodolfo, a massificação do GNV permite a melhoria da balança de pagamentos e a redução do nível de emissões de carbono.

“Numa altura em que o combustível tem sofrido flutuações, espera-se que a Linha de Financiamento aumente o número de viaturas movidas a gás natural, principalmente nas frotas de transporte públicos”, sustenta a companhia.

Esta iniciativa, que faz parte da contribuição da Sasol na matriz energética do país, vem adicionar-se a outros benefícios à jusante do gás natural

Entre estes benefícios, destacam-se, o gás de cozinha e produção de energia eléctrica através da Central Termoeléctrica de Temane (a antiga), a Central Termoeléctrica Kuvaninga, a Central Termoeléctrica de Ressano Garcia (CTRG), a Central Termoeléctrica de Maputo (CTM), a Central Termoeléctrica Gigawatt, que produzem perto de 500 MW de energia e da nova Central Termoeléctrica de Temane que vai produzir 450 MW de energia para a rede nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

pt_PT