Mulher é Um dos Primeiros Alvos das Crises Humanitárias

Mulher é Um dos Primeiros Alvos das Crises Humanitárias

Já foi lido 111vezes!

A Presidente da Assembleia da República (AR), o parlamento moçambicano, Esperança Bias, diz que crianças, raparigas, mulheres e idosos são os primeiros alvos das crises humanitárias provocadas pelo terrorismo na província de Cabo Delgado, norte do país.

Discursando na sessão plenária de abertura do 3º Fórum da Mulher Euro-asiática, evento que decorre desde segunda-feira (11) na cidade russa de São Petersburgo, Bias afirmou que as acções dos terroristas resultaram na morte de mais de duas mil pessoas e mais de 850 mil deslocados.

O Fórum decorre sob o lema “Mulheresː Missão Global numa Nova Realidade”.

Citada num comunicado de imprensa da AR enviado quinta-feira (14) à AIM, Bias diz que os terroristas destruíram e vandalizaram infra-estruturas públicas e privadas, o que resultou numa grave crise humanitárias em alguns distritos de Cabo Delgado.

“É, pois, nossa esperança que neste Fórum possamos encontrar uma plataforma comum de solidariedade para a solução desses problemas”, afirmou a Presidente do parlamento moçambicano.

Desde Agosto último, as operações conjuntas das Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e da missão militar da África Austral em Moçambique (SAMIM) bem como de Ruanda reduziram e quase que se extinguiram as acções terroristas em Cabo Delgado.

“Com o apoio de vários países e organizações regionais e internacionais, a situação no terreno tende a melhorar, o que tem permitido a reposição da segurança, ordem e tranquilidade e o regresso paulatino das populações”, disse Bias.

Acrescentou que o país necessita ainda de apoio da comunidade internacional na reconstrução das zonas devastadas pelos terroristas.

Bias disse que o papel da mulher na busca de melhores soluções dos problemas que afectam o mundo é crucial, não só porque ela é vítima de primeira linha em situações de calamidade, do terrorismo e da pandemia, mas também porque ela constituí a base que garante a estabilidade das sociedades humanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

pt_PT